Archive for the ‘Intercâmbio’ Category

Meu Guardachuveè Esbugalhadeè

O inverno é uma das estações mais chuvosas do ano. Não é pra menos que aqui no Sul a chuva chegou pra ficar, não arredando o pé desde o fim da semana passada, caindo por cinco dias consecutivos. Pra não perder o ritmo, hoje de manhã quando cheguei no trabalho, estava chovendo. Desembarquei do ônibus no meio de uma multidão de guarda-chuvas e sombrinhas. Lembrei de um episódio em Quebec (QC) no Canadá, durante o fim de semana que viajei com alguns amigos, aproveitando o feriado de Ação de Graças.

Saímos de Toronto por volta das 11:30 da noite de sexta-feira e chegamos em Quebec mais ou menos às 07:00 da manhã de sábado, por sinal, abaixo de chuva. Mas turista não quer saber do clima. Por isso, desembarcamos do ônibus no Assemblée Nationale (Assembléia Nacional) durante uma torrente que desabava do céu. O pessoal não parecia muito prevenido, tanto que acabei abrigando um trio de mexicanas calientes na minha sombrinha caquética, infelizmente por pouco tempo, pois acabaram sendo desvencilhadas na multidão.

quebec_city_tour_outubro_2012Galera na chuva

Na medida que fomos descendo até o Observatoire de la Capitale (Observatório da Capital) a chuva foi acalmando e quando chegamos no centro da charmosa Quebec, uma pequena trégua possibilitou fechar minha fucking sombrinha comprada no Chinatown em Toronto, mas por pouco tempo, pois em minutos precisei novamente abrir aquele aramado coberto com tela de plástico, soltando um “My umbrella is like a pussy!”, o que rendeu o olhar intrigado de uma senhora que passava na rua. A cada loja que entrava, largava minha sombrinha na porta, sem fechar nem nada, pois se fizesse, corria o risco de não voltar a abrir. Resolvi arriscar e fechar a bagaça quando entrei em uma cafeteria junto com o pessoal. Estávamos molhados e com frio, era hora de uma bebida quente. Na saída, sem grande surpresa, minha sombrinha emperrou ao ponto de fazer eu lançar ela na próxima lixeira.

joatan_fontoura_quebec_sombrinha_quebrada Ignore a cena – Atente pra minha sombrinha esbugalhada

Passamos a ser três pessoas pra uma única sombrinha. Eu estava literalmente na chuva, sem proteção alguma. Seguimos andando quando no quarteirão seguinte encontrei outra lixeira, mas dessa vez, ao contrário de levar meu velho guarda-chuva quebrado, Quebec estava trazendo uma clássica e ousada sombrinha canadense. E apesar de uma das hastes quebradas, um guardanapo de papel foi suficiente pra limpar o melado de sorvete em torno do plástico.

joatan_fontoura_quebec_sombrinha_achadaCame up from the garbage

Nota: Eu gostei tanto daquela sombrinha que acabei levando ela pra Toronto e usei algumas vezes durante os meses seguintes. Sério, só não trouxe ela pra casa porque não consegui lugar na mala.

Hansa é destaque no Oi Toronto

Conforme fui registrando aqui no blog os 4 meses que passei em Toronto, conversei com algumas pessoas que comentaram estar se preparando para embarcar e ingressar em um programa de intercâmbio, assim como eu fiz entre agosto e dezembro do ano passado. Provavelmente o pessoal que fez contato encontrou o blog em uma busca no Google, e assim como eu conversei com diversas pessoas que já haviam passado pela mesma experiência que eu estava prestes a iniciar, enquanto me preparava para a viagem, essa galera também estava em busca de mais algumas informações, pois nessas circunstâncias, momentos antes de viajar pra um lugar totalmente desconhecido, longe de casa e onde as pessoas não entendem seu idioma nativo, qualquer informação é válida e pode fazer uma grande diferença.

Um assunto que já conversei com esse pessoal, além de ter compartilhado também com amigos, familares e conhecidos, pessoas que ficaram curiosas por saber sobre a viagem, foi a escola. Na minha segunda semana por lá publiquei um artigo falando das primeiras impressões, e com o passar dos tempos e as demais publicações que ocorreram, acabei sempre comentando alguma situação envolvendo a Hansa.

Agora no fim de fevereiro, o Oi Toronto publicou um artigo bem interessante falando sobre a Hansa (acesse clicando aqui). Algumas informações relevantes foram abordandas, como um pouco sobre a história por trás da escola, os programas de estudos, horários e essas coisas que os jornalistas geralmente escrevem nesse tipo de material. Deveras a leitura é muito válida, tanto pra mim, que já estudei na escola, quanto para o pessoal que está se preparando para em um futuro próximo passar uns tempos na maior metrópole canadense e ainda tem dúvidas sobre a escola que pretende estudar.

Vale lembrar que o Oi Toronto é basicamente um portal de notícias voltado para os brasileiros que vivem na cidade (e que não são poucos), registrando tudo o que acontece na capital da província de Ontário e nas cidades vizinhas. Obviamente o site é editado em português e sem dúvidas é acesso quase obrigatório para o povo tupiniquim que vive na cidade ou está de passagem marcada pra lá.

Aproveito pra ressaltar as duas brasileiras citadas no artigo comentado, a Brissa Freires e a Camila de Paula, gurias que conheci enquanto estava por terras canadenses e que ainda continuam vivendo like canadians. E já que estamos falando dos brasileiros, não posso esquecer do Juliano Mattiazzi, meu velho amigo e vizinho aqui do Brasil, que também continua em Toronto, firme e forte, sendo que por uma ironia do destino fomos nos encontrar tão longe de casa. Desejo muito sucesso pra essa galera! E continuem aproveitando ao máximo, pois não existe valor que compense a oportunidade que vocês tem nas mãos.

Um cara maluco perguntando coisas sem sentido

Nos últimos dias quando eu estava em Toronto, como era meu costume, estava andando até a estação de metrô mais próxima para pegar o trem em direção ao centro da cidade. Derrepente, para no outro lado da rua uma uma van de sequestradores (como classificaria o Marcos Barbosa), então, o motorista olha pra mim e grita, conforme a imagem abaixo:

Em tradução, a pergunta dele foi “Porque pessoas ricas adoram as piores ruas?” e sem saber o que responder, eu apenas soltei “Eu não sei!“. Sem prestar muita importância continuei andando e não faço a mínima ideia sobre o porque do cara perguntar aquilo. Provavelmente era alguma brincadeira, ou no pior dos casos, não era uma van de sequestradores, mas de uma casa de reclusão para malucos, até porque, dificilmente eu seria considerado uma pessoa rica.

Sem celular por quase 4 meses

Nos 4 meses que passei em Toronto fiquei o tempo todo sem celular. Logo quando cheguei eu até pensava em aderir um plano, caso não fosse muito caro, até mesmo com opção de internet e afins. Contudo, como eu não queria sair comprando qualquer “bomba”, a qual mais tarde faria eu ficar arrependido, sendo que antes de tudo queria realmente entender o que eu estava comprando, acabei deixando o tempo passar e passar, tanto que passaram os 4 meses e não comprei plano algum.

Porém, no quesito comunicação com o Brasil isso não fez a mínima falta. Pois o Skype/MSN fez um serviço perfeito. Comunicação em tempo real, raramente com delays e coisas do tipo. E-mail, mensagens de texto no Facebook ou Twitter também foram de grande utilidade para “keeping in touch” com o pessoal no Brasil. Afinal, encontrar um ponto de internet sem fio disponível pela cidade não é nada complicado. A maioria dos bares e cafés, como Tim Hortons, Timothy´s ou mesmo Starbucks, possuem uma rede acessível, na qual é preciso apenas solicitar a conexão, abrir o browser e aceitar os termos de uso. Sem senhas, sem complicações.

Outra opção são os cartões de telefone. Os canadenses contam com cartões pré-pagos que podem ser usados em qualquer telefone local, seja público, residencial ou mesmo um celular com linha em uma operadora do país. No verso desses cartões é possível encontrar uma tarja que deve ser raspada, sendo que através dessa é possível descobrir o código próprio daquela unidade, um PIN (Personal Identification Number), reconhecendo os créditos disponíveis. No próprio cartão são indicados números locais que devem ser discados para entrar em contato com a central eletrônica, a qual vai solicitar o código do cartão e liberar a ligação. Dependendo do destino é necessário discar para um telefone diferente, inclusive em uma chamada internacional.

As opções mais baratas desses cartões são os chamados “Amigo”. Por apenas CAD$ 5 dólares é possível comprar uma unidade do cartão e usar por horas afio para ligações dentro do país ou mesmo internacionais. É possível consultar o saldo e o tempo que cada ligação pode durar na própria central eletrônica, antes de completar as chamadas. Logo quando eu comprava uma nova unidade e solicitava uma ligação aqui pra casa no Brasil, a mensagem informava que eu poderia falar de 5 a 6 horas ininterruptas se fosse necessário, apenas com os CAD$ 5 dólares investidos.

Era curioso, pois muitas vezes eu usava minha própria conta no Skype para ligar utilizando o cartão. Como o software identifica a navegação através de um endereço canadense, mesmo que sem Créditos Skype, ele libera a ligação para a central do cartão, na qual é possível seguir com o processo.

Voltando a questão “linha de celular”, caso eu pudesse escolher novamente, hoje eu compraria uma linha para usar durante meu tempo pelo país. Considerando que aqui no Brasil estamos acostumados com essas mordomias, qualquer coisa ligar pra pessoa desejada e em segundos resolver um problema, senti falta disso. Um exemplo é marcar alguma coisa com alguém, um passeio, um almoço, uma balada, e ficar sem comunicação. Pois alguém pode sempre se atrasar, mudar o local de encontro, mudar o horário de encontro, e aí, como avisar fulano? As mensagens no Facebook ajudam ou mesmo no Whatsapp, mas tudo depende do fulado encontrar um ponto de internet e resolver checar. Não foram uma nem duas vezes que o pessoal ficou esperando por mim porque me atrasei ou eu fiquei esperando por eles porque mudaram o ponto de encontro. Por mais que eu tentava avisar por outros meios, é relativo as pessoas ficarem checando isso o tempo todo, muito diferente de um SMS ou ligação.

Se a pessoa vai pra passar um mês apenas, acho que até nem vale ficar se estressando com plano de celular. Lembrando que é muita coisa pra fazer, muitos lugares pra visitar em pouco tempo. Porém, dois, três meses, acho que já é recomendado aderir uma linha. As opções são diversas, entre elas existem Bell, Chatr, Fido, Public Mobile, Rogers, Virgin Mobile ou Wind. Eu vi o pessoal usando mais Fido, Rogers e Wind. Não que sejam as melhores, realmente não faço ideia. Apenas sei que existem essas opções.

A questão aparelho, o usuário quem escolhe, se necessário, eles tem bons aparelhos pra vender e os preços podem variar em CAD$ 200 dólares pra mais ou pra menos, dependendo da operadora. Sem contar a questão do desbloqueio e o quesito frequência, coisa que os brasileiros precisam cuidar caso queiram comprar um aparelho pra usar lá e depois trazer pra cá. Muita gente leva seus próprios aparelhos, comprando apenas um chip. É uma opção. Outros compram aparelhos com funções básicas, os quais podem ser encontrados por cerca de CAD$ 50 dólares.

O negócio é pesquisar! Juntar experiências, perguntar as opiniões alheias e mesmo passar no guichê de alguma operadora na busca por informações. Mais vale gastar dois ou três dias pesquisando que pegar logo a primeira opção que aparecer pela frente e mais tarde descobrir coisa melhor, inclusive com um preço melhor.

A Volta ao Mundo da Amizade

Não me canso de comentar sobre a importante diferença que os amigos fizeram durante meu intercâmbio. Na vida são poucos os amigos de verdade, sempre acabamos conhecendo alguém aqui, outro lá, mas muitas vezes podemos contar nos dedos, quem sabe de uma mão só, os verdadeiros amigos, aqueles que na alegria e na tristeza (sem querer fazer referência ao voto de matrimônio, mas já fazendo) vão estar ao nosso lado.

Obviamente muitas das amizades que fiz durante o tempo que passei em Toronto serão mantidas apenas pela internet, claro que não faltaram convites aos interessados em conhecer o Brasil e a cultura gaúcha e posso dizer o mesmo da parte deles. Porém, sabemos que milhares de quilômetros separam o Brasill da Europa e mais ainda da Ásia, considerando também que tudo depende de vários fatores, principalmente capital financeiro, afinal, são poucos os que tem a sorte de pertencer a famílias abastadas, a maioria se iguala a minha pessoa, tenta trabalhar pelo próprio sustenso e em partes é ajudado pelos pais.

Essa semana o pessoal resolveu desenhar um mapa lá na Hansa, preenchendo as áreas referentes aos países com os nomes dos estudantes que pertencem a cada nação. Não foi nada planejado, apenas uma brincadeira entre um grupo de amigos, na realidade o pessoal mais conhecido da menina que projetou o desenho. Fiquei muito feliz, pois mesmo já estando distante, também fui lembrado:

Pelo que entendi, a ideia deles seria fazer uma “volta ao mundo”, passando por todas os países marcados, visitando cada um dos amigos descritos, algo como “Around the World of Friendship”, conforme descrevi no título da postagem.

Voltando a rotina

Na realidade, apenas 4 meses não é tanto tempo assim. Quer dizer, assim como pode ser, pode não ser. Muita coisa pode acontecer nesse período, depende de quem encara, depende de quem vive.

A exatamente uma semana eu dizia “até logo” ao Canadá, aos amigos que fiz lá e a cultura cultivada naquele ambiente onde passei meus últimos meses. Na sexta-feira (30/11/12) quando cheguei em casa fui recebido por uma pequena celebração, uma festa surpresa, promovida pela minha família e alguns amigos. Confesso que não gosto muito de festas, mas pelo que entendi, minha mãe fez questão de seguir em frente com a ideia e junto com mais algumas pessoas motivadas com meu retorno realizaram a festinha.

Despedida no aeroporto

Logo quando fui surpreendido pela comemoração, estava exausto e confesso que até não cheirava tão bem assim. Precisei tomar um banho antes de dedicar atenção ao pessoal que estava na festa. Fiquei chateado por não conseguir atender e conversar com todos. O cansaço não incomodava, nem mesmo a fome, até porque eu não sentia fome. Por tentar sempre ser muito reservado, acabei achando que aquilo não fazia muito o meu estilo, mas confesso que foi bom rever algumas pessoas e compartilhar de uma boa conversa.

Festa de boas vindas

Por mais que já vai fazer uma semana que cheguei em casa, ainda não consegui aderir minha antiga rotina. Apesar de algumas coisas estarem diferentes, pois segundo minha mãe, ela precisou dedicar algum tempo nas mudanças, diante da saudade que sentiu por eu estar distante, acredito que nada disso vai dificultar minha adaptação. Mas é um tanto complicado trocar de rotina, trocar de ambiente tão derrepente, na verdade, provavelmente seja tão complicado quanto no dia em que cheguei em Toronto, porém, ainda deve ser cedo para conseguir associar essas duas situações.

Enfim, apenas alguns comentários sobre essa última semana, quem sabe também tentando justificar minha falta no #GEEKFAIL, no Zoom Digital e aqui no blog. A ideia é continuar alimentando esses projetos como sempre tentei fazer, manter as relações com minna família e amigos, compartilhando tudo o que aprendi nesse tempo distante, rever mais algumas pessoas queridas e vitais na minha vida, assim como, daqui alguns dias, encontrar uma colocação no mercado, ou em outras palavras, um novo emprego.

Acima de tudo, prefiro ter em mente a certeza de que tudo vai fluir da melhor maneira possível. E assim como sempre consegui aprender nas mais diversas situações possíveis, tanto em um antigo provérbio usado por meus pais quanto em um pequeno conjunto de palavras que alguém bosqueja durante uma conversa, penso continuar aprendendo cada vez mais, alimentando minha base de conhecimentos, a qual sempre vai ajudar a traçar minhas próximas escolhas e opiniões.

É hora de partir

Como dizem “time flies” ou no bom e velho português, “o tempo voa”. Realmente não parece que já passaram quatro meses desde que cheguei em Toronto. Essa é a primeira vez que fico tanto tempo longe de casa. Tudo passou muito rápido durante esse tempo, ao menos pra mim, já quanto a minha família, não sei dizer, mas geralmente dizem que “pra quem fica” a saudade e a espera pelo reencontro é sempre maior.

Durante essa minha primeira experiência no exterior, deveras aprendi muita coisa. Nunca vou esquecer dos primeiros momentos em terras canadenses, aflito por passar pelas autoridades e receber o tal carimbo no passaporte, oficializando minha entrada no país. Em seguida, a espera pela bagagem e mais tarde, a primeira ligação para minha família no Brasil, anunciando minha chegada. Foi estranho ouvir o tom agudo referenciando linha disponível que os telefones daqui fazem. É diferente do Brasil, o som é intenso e ao mesmo tempo assustador. Contudo, pode ser barato realizar uma ligação internacional, pois dependendo do cartão telefônico utilizado, pode ser possível falar por horas ininterruptas gastando apenas CAD$ 5 dólares, mas isso é assunto pra quem sabe outra publicação.

Enquanto estava organizando a viagem, ainda no Brasil, conversei com muita gente que já passou por aqui antes. As experiências são diversas, algumas inclusive contradizem outras, uns falam bem, outros falam mal, e as vezes até fica difícil saber para qual lado seguir. Não que seja ruim conhecer as histórias alheias antes de passar pela própria, pelo contrário, sempre é possível agregar alguma coisa, contudo, o importante é não ser levado apenas pelas opiniões dos outros, afinal, cada um tem uma visão diferente das situações e só vivendo na pele para poder tirar as próprias conclusões. Apesar de toda a informação ser válida, nem sempre tudo o que dizem é a única realidade, mas sim uma opção. Por incrível que pareça, sempre tentei estar mentalmente preparado para o pior, quem sabe por isso nada foi tão ruim quanto poderia ser, na verdade, até hoje, nada aqui foi ruim.

Bom, conforme eu dizia, logo após o primeiro contato com o Brasil, o próximo passo foi pegar um taxi até a tão famosa homestay. Chegando na casa fui formalmente recebido por toda a família. Os meninos ajudaram com a bagagem e a host mother mostrou meu quarto. Pela minha surpresa, um quarto ótimo. Cama de casal, TV e até uma mesinha para estudos. A primeira coisa que eu pensei foi “Como assim? Esse vai ser meu quarto? O que aconteceu com dormir debaixo da escada ou coisa do tipo?” Em seguida, ela perguntou se eu estava com fome, oferecendo um belo prato de ovos mexidos com salsicha. Sem querer eu pensei “Comida? Vocês realmente estão me convidando pra comer? Só pode ser pegadinha…”. Naquele momento eu percebi que eu havia tirado a sorte grande. Afinal, como eu já havia ouvido, a host family é uma espécie de loteria. Eles podem ser ótimos, como também podem ser péssimos, mas como é possível perceber, não tenho reclamações quanto a isso.

No dia seguinte quando a host mother foi comigo até a escola, demonstrando o caminho, assim como os ônibus e as linhas de metro que eu poderia usar, logo em seguida quando eu já estava com um mapa na mão e sozinho no trem em direção ao centro da cidade, encontrei mais dois brasileiros “perdidos” assim como eu, que por sinal estavam no mesmo vôo no dia anterior. Começamos juntos a explorar a cidade, ao menos uma pequena parte dela, e foi quando eu percebi que não havia porque ter medo, pois apesar da cidade ser muito grande, a coisa mais difícil que existe é ficar perdido em Toronto. Claro, algumas vezes você não sabe o caminho certo para chegar em derminado lugar, pega um ônibus errado, pega o trem que vai pra o lado oposto, mas pegunta pra um, pergunta pra outro, compara com o mapa e pronto, no fim sempre é possível chegar no local desejado.

Mais tarde, na escola, conheci gente de todos os cantos do mundo, pessoas simpáticas, extrovertidas, e assim como eu, dispostas a fazer novas amizades, o que tornou ainda mais agradável minha passagem por aqui, pois apesar de conhecer pouco sobre essas pessoas, eles compartilham do mesmo ideal que o meu, dispostos a partilhar conquistas e desbravar novos desáfios, sentimentos que estão interligados e que fazem toda a diferença.

Assim como tudo na vida, a experiência de um intercâmbio também tem dois lados, algumas vezes causando pavor. Acordar sentindo saudades da minha cama, sair na rua e pensar “O que eu estou fazendo aqui? Esse lugar não faz parte de mim!”, chegar em casa e não ter minha família para ao menos perguntar “como foi o meu dia?” e nem mesmo minha mãe para beijar, pode ser extremamente difícil. É normal, nem tudo são rosas, pois até as rosas tem espinhos. Além do mais, tudo é passageiro, nada dura para sempre, todo dia é uma página virada, novas experiências e aquela vontade de seguir em frente retomando o seu lugar.

Enfim, estou feliz por voltar pra casa, mas ao mesmo tempo triste por deixar o lugar onde fui acolhido nos últimos meses. No entando, acredito que é mais um ciclo que está sendo encerrado e tenho a certeza de que fiz meu melhor. O que resta agora é preservar toda a bagagem reunida durante esse tempo, seguindo a senda da vida, traçando um novo caminho, acreditando que novos ensejos estão próximos.

P.S.: Provavelmente essa foi a última postagem realizada durante a viagem. Porém, ainda tenho conteúdo para compartilhar, sendo que na próxima semana publicarei novos artigos, ainda comentando sobre minhas experiências no Canadá.

No outro lado do oeste

Já fazem mais de três semanas que a tia Cleuserene está atulhando meu Facebook com mensagens suplicando para eu não esquecer de comprar a pipoqueira que ela pediu quatro meses atrás, antes de eu sair de viagem. Afinal, esse modelo estava pra vender no eBay (em edição limitada) e como atrasou a aposentadoria dela naquele mês, a coitada não conseguiu comprar a dita panela.

Hoje resolvi sair para procurar. Estava adiando isso, pois a loja fica cerca de 20 km aqui da homestay, considerando que eu tenho de pegar duas linhas de metrô e um ônibus, levando quase 1 hora e 15 minutos de viagem para chegar até o local. Contudo, tracei a rota no Google Maps, comparando com o mapa de metrô, ônibus e streetcar oferecido pelo TTC. Como durante o trajeto o celular não tinha sinal de internet pra continuar com a rota e a localização por GPS quase nunca funciona, usei como localização uma das avenidas principais, a Finch Avenue West,  que cruza a avenida onde o ônibus andava, a Islington Avenue, sendo essa última a mesma da loja. Em seguida, comecei a tentar localizar pelo número dos prédios o ponto mais próximo para desembarcar. Quanto a isso, não foi nada difícil.

Popcorn Hardware Centre

Na volta, compra feita, missão cumprida, peguei o mesmo ônibus, porém, no lado oposto da rua, o qual me levaria para o ponto inicial, a Islington Subway Station, onde eu pegaria um trem até a Spadina Subway Station e outro até a Eglinton West Subway Station, considerando que essa última estação fica próxima da homestay. Conforme eu havia consultado no mapa e confirmado enquanto estava no ônibus, a Islington Avenue atravessa a Eglinton Avenue West, dessa forma, se eu desembarcasse na interseção entre as duas avenidas, poderia trocar o restante do trajeto na Islington e esquecer as duas linhas de metro, por outro ônibus direto até a Eglinton West Subway Station e foi o que fiz.

O ônibus que eu deveria pegar era o 32 ou 32A, que por sinal, o 32 é o mesmo que pego para chegar na escola todas as manhãs, até a Eglinton Subway Station, na interseção da Eglinton Avenue West com a Younge Street, quando a Eglinton Avenue passa a ser Eglinton Avenue East. Esperei pelo ônibus cerca de 10 minutos, pegando a linha 32. O motorista deve ter dirigido por cerca de 10 minutos também quando soltou “Attention Customers, this bus is going to out of service! [Atenção passageiros, esse ônibus está saindo fora de serviço!]”. Assim como as demais pessoas, desembarquei e fiquei no ponto aguardando pelo próximo ônibus. Achei estranho aquele ponto de ônibus, pois geralmente esses lugares possuem alguma identificação referenciando o TTC, seja no mapa fixado nos vidros da cabine ou mesmo em alguma publicidade, mas aquele ponto não demonstrava nada parecido. Esperei cerca de 5 minutos e avistei um 32A chegando, mas percebi que pela velocidade ele não estava com intenção de parar, fiz sinal, e de fato, ele não parou. Achei mais estranho ainda. Em seguida, reparei que um ônibus diferente da frota gerenciada pelo TTC parou, o letreiro frontal referenciava Mississauga, uma cidade vizinha aqui de Toronto, onde inclusive fica localizado o Toronto Pearson International Airport. Quase ao mesmo tempo, mais um TTC estava chegando e também não parou. Dessa forma, acabei concluindo que aquele ponto é exclusivo para ônibus intermunicipais, por isso, comecei a caminhar em busca de outra parada. Já estava noite, contudo, na quadra seguinte encontrei outro terminal de espera. Mais uma vez, devo ter aguardado por volta de 5 minutos, e apareceu um 32A. Embarquei e reparei que o ônibus estava vazio, somente o motorista e eu. Certo de que estava pegando o ônibus correto, escolhi um assento e sentei. O motorista partiu e pela minha surpresa na quadra seguinte ele virou a direita, a direira novamente, mais uma vez a direira e por último virou a esquerda, retornando para a Eglinton Avenue West, contudo, na direção oposta a qual eu embarquei. Foi então que eu pensei “What a fuck? Ele está indo para o lado errado! Para onde esse cara está me levando?”. Continuei achando que estava sendo levado para a direção errada quando cheguei a conclusão de que o motorista estava certo, obviamente, eu quem estava errado, desde a interseção na Islington com a Eglinton West, pois sem pensar, quando eu desembarquei do ônibus que estava na Islinton, tomei qualquer lado da Eglinton West, sem saber se era o “oeste correto” ou não. Nesse meio tempo, eu já havia perdido mais de 50 minutos. Checando no mapa, tudo começou a fazer sentido, pois ele retornou logo após eu embarcar porque era o fim da linha, provavelmente se eu encontrasse algum ônibus que continuasse seguindo o caminho que eu queria fazer, em poucos minutos estaria em Mississauga, saindo de Toronto.

caminho errado

No entado, perdido eu não estava, só estava tentando ir para o lado contrário do que deveria, enquanto os ônibus estavam tentando me levar para o lado correto. E mais uma vez, eu cheguei a conclusão de que em apenas 4 meses é impossível desenvolver um senso de direção preciso em uma cidade do tamanho de Toronto.

ônibus vazio

Provavelmente nesse momento, caso a tia Cleuserene esteja lendo essa postagem, ela deve estar culpando sua consciência por ter insistido nessa compra, pois quase fez seu sobrinho querido perder o caminho de casa, sem contar que eu estava carregando uma pipoqueira o tempo todo. Ao menos eu aproveitei o tempo para ouvir minha playlist de podcasts, que por sinal, ainda continuo atrasado com alguns episódios.

É tipo Crepúsculo

Terça-feira é dia de cinema em Toronto. O principal motivo é o preço reduzido em qualquer cinema da cidade, variando em torno de 30% ou 40% a menos que o valor integral. Por incrível que pareça, na minha cidade no Brasil, Novo Hamburgo / RS, terça-feira também é dia de preço reduzido no cinema. Talvez seja uma simples coincidência ou quem sabe exista uma lei mundial decretando que todos os cinemas no mundo devem sofrer variação de preço (para menos) nas terças-feiras, oferecendo assim a oportunidade para as classes desprovidas de capital também desfrutarem uma poltrona confortável e uma tela medindo algumas centenas de polegadas. Se é que existe algo do gênero, ao menos Novo Hamburgo e Toronto estão seguindo a norma.

Na última terça-feira (20/11/12) foi minha terceira vez no cinema aqui em Toronto, sendo que duas delas ocorreram provavelmente no cinema mais barato da cidade, o Rainbow Cinenas, custando apenas CAD$ 5 dólares, e a outra ocorreu no Cineplex / Silvercity, custando em torno de CAD$ 8 dólares. Na primeira vez assisti Premium Rush, na segunda assisti Hope Spring e na última assisti The Twilight Saga: Breaking Dawn: Part 2. Se você entendeu a tradução do último título, sim, pode acreditar, eu assisti Crepúsculo (blá, blá, blá, parte 2), mas calma, tudo tem uma explicação.

Já faz uma semana que o pessoal da escola estava planejando reuinir um grupo e todos juntos aproveitar a tarde em uma sessão de cinema. Quando fui convidado, obviamente perguntei o filme que iriamos assistir, e recebi como resposta “something like ‘Crepúsculo’ [alguma coisa parecida com Crepúsculo]”, considerando que algumas vezes quando brasileiros e espanhóis (considere latino-americanos que falam espanhol também) estão juntos e não conhecem o termo em inglês, falam o mesmo em espanhol ou português, dependendo de quem está falando, afinal, boa parte das palavras tem a pronúncia e mesmo a grafia similar em ambos os idiomas. Analisando a situação, eu pensei “bom, se é alguma coisa parecida com Crepúsculo, pode ser que não seja tão ruim quanto Crepúsculo, afinal, é um filme diferente“. Doce ignorância!

Chegando no cinema, a galera já na empolgação pra assistir o filme e em um minuto de atenção dedicado para ler o banner referente ao mesmo, leio “Part 2”. Começo a refletir e sabe aquele momento quando tudo começa a fazer sentido? Pois é! Perguntei pra menina que estava do meu lado: “Is it some ‘Crepúsculo’ part 2″? [Esse filme é alguma parte 2 do Crepúsculo?]” Recebi como resposta “Yeah, I told you! [Sim, eu te disse!]”. Nessa hora eu só pensei “O que aconteceu com o LIKE Crespúsculo?”.

Durante a semana, entre um papo e outro, até ouvi o pessoal falando sobre “Twilight”, contudo, confesso que eu nem mesmo sabia ao certo o significado de “crespúsculo” em português, muito menos iria saber que a tradução para o inglês é “Twilight”.

Enfim, ignorância da minha parte, bugs, delays na comunicação, eu realmente não gostei do filme. E não venha me dizer que é porque eu não assisti a parte 1 ou coisa do tipo, pois, não faço questão alguma de assistir. Cá entre nós, esse não é o tipo de filme que faz meu estilo. Contudo, respeito o pessoal que curte, pois como dizem, “gosto não se discute”.

O Puma é chato mas é meu amigo

Uma grande amiga que fiz na Hansa, a Camila Marañon, sempre fica brava quando eu chamo alguma coisa aqui em Toronto de “host“. Claro que é apenas uma brincadeira da minha parte, mas pra mim tudo aqui é “host”. Afinal, eu tenho uma host school, uma host family, um host room e até um host cat, considerando que a tradução literal para “host” é hospedeiro.

O Puma é o gato de estimação da família com quem estou morando desde que cheguei aqui. Tenho minhas dúvidas se ele é apenas mais um gato no mundo ou se tem alguma peculiaridade diferente dos demais. Acredito realmente que ele é apenas um gato carente. Sempre que recebe um afago na cabeça, começa a ronronar feito maluco, e quando fica muito feliz, rolar pelo chão é pouco pra ele. Contudo, ele tem os seus momentos importunos. Quando quer alguma coisa, principalmente comida ou sair para o quintal, não deixa quem estiver na sua frente caminhar, ele fica andando em círculos ao redor da pessoa, até que a sua vontade seja atendida.

Existe uma porta de vidro na cozinha, a qual libera o acesso para um pequeno jardim. Acho que a situação mais cômica é quando todos estão jantando e ele fica sentado do lado de fora, na frente da porta, olhando com uma cara extremamente triste pra o pessoal que está comendo, não saindo de lá até que alguém levante e abra a porta para ele entrar. Consequentemente a mesma pessoa precisa servir uma bela porção de ração na tigela dele, ou as vezes, uma comida de gato enlatada a base de peixe, a qual, até eu mesmo comeria se estivesse com muita fome.

Algumas vezes quando ele já está dentro de casa, antes do pessoal sentar na mesa pra jantar, por incrível que pareça ele resolve sentar na frente das suas tijelas e comer ao mesmo tempo que as pessoas na mesa de jantar. Quando ele termina sua refeição, resolve subir na mesa e dar uma voltinha entre os pratos. Geralmente a host mother não gosta (quem gosta???) e manda ele sair, abrindo a porta, atendendo a vontade dele, pois provavelmente está na hora do “número 2”.

Certa vez, um dos “colegas de quarto”, o Adrian Romero, e eu estavamos chegando em casa, já era um tanto tarde da noite, eu estava segurando o celular como laterna enquanto ele tentava acertar a fechadura e abrir a porta. Derrepente escutamos o Puma miando e caminhando em nossa direção, conseguindo abrir a porta, Adrian exclamou: “Come on, come on! Let´s come in! [Rápido! Vamos entrar!]”. Entramos correndo e fechamos o Puma pra fora. Interessante que quando o Adrian chegou aqui na homestay, ele realmente gostava do Puma. Chegavamos da escola e ele logo brincava, dizendo: “Where is my cat? [Onde está meu gato?]”. Mas infelizmente o Puma perdeu o amigo quando resolveu ir dormir junto com o Adrian.

Algumas semanas atrás eu estava atrasado pra escola. Todos já haviam saído mas como de costume, meu breakfast estava na mesa esperando por mim. Sentei e quando fui começar a comer, apareceu o Puma querendo comida também. Abri o armário, servi ração e voltei novamente pra meu café. Ele cheirou, fez uma cara de quem não queria nada e saiu. Como ele viu quando eu abri o armário, provavelmente sabendo que as comidas enlatadas ficam no mesmo lugar, ele foi até a frente do móvel e ficou tentando abrir a portinha. Inacreditavelmente ele conseguiu abrir e entrar, ao mesmo tempo, fechando ele próprio lá dentro. Claro que a solução foi parar meu café novamente, resgatar o bichano e servir a dita comida enlatada que ele tanto gosta.

Apesar de tudo, o Puma é um gato engraçado. Mas vale citar que se eu quero privacidade, não posso deixar a porta do quarto semi-fechada. Ele acaba usando suas patas biônicas, empurrando e abrindo a mesma. Como sempre, ele sobe pelas coisas e fica tentando abrir as minhas gavetas, talvez ele acha que o estoque master das comidinhas enlatadas fica aqui dentro.

-| TRANSLATING TO ENGLISH |-

[Puma is boring but he is my friend]

A really good friend that I made at Hansa, Camila Marañon, always to be angry when I call something of “host” here in Toronto. Of course that it´s just a joke of mine but I think everything here is “host”. By the way, I have a host school, a host family, a host room and even a host cat.

Puma is my host family´s cat. I am living in them home since I arrived in Toronto. I have some questions about him, maybe he isn´t just one more cat in the world. I think each one is different even the cats. I think that Puma is a needy cat. Everytime when he receives some care, he starts to purr like a crazy kitten and when he feels so happy, he starts to roll in the floor. By the way, he has some annoying times. When he wants something like food or leave to outside in the garden, he starts to walk in front of your feet, turning around, until you make what he wants.

There is a glass door in the kitchen and there is a little garden outside. I think the most funny time happens when everybody is having dinner and he is sitting outside, making an upset face and looking through the door to everyone inside the kitchen. He keeps it until somebody open the door for him. Also, the same person should give some cat´s food in his plate.

Sometimes, when he is inside home, before the people sit down to have dinner, he starts to eat in the same time, but of course it is his food. When he finished it, he jumps on the table, walking between our food. The host mother usually doesn´t like it (who likes???) and take him outside, opening the door to him leave. Probably, it is his “pupu time”.

One day, my roommate, Adrian Romero, and me were arriving at home. It was late in the night, I was holding my cellphone like a flashlight in front of the door while Adrian was trying to open it. Suddenly, we listed Puma mews and he was walking in our way. Quickly, Adrian opened the door and said: “Come on, come on! Let´s come in!”. We came in the house almost running and closed the door before Puma comes together. Anyway, when Adrian arrived here, he loved Puma. Sometimes, we arrived from school and he asked: “Where is my cat?”. Unfortunately, Puma lost his friend when he decided to sleep together with Adrian.

Some weeks ago, I was late to school. Everybody has leaved but my breakfast was waiting for me on the table. When I was sitting and I would start to eat my food, Puma appeared, he was asking for food. I stopped my meal and gave some food to him. He just smelled it and kept to asking for. Before I gave the food, he saw the place where I took it. It is a kind of cabinet. By the way, he goes until there and started to try opening the doors. I didn´t belive but he got it. Puma has opened the door and came in inside of the cabinet, looking for his favorite cat´s food. But when he opened the door, it came back and closed him inside the place. Also, I should stopped my breakfast again, save Puma and give his favorite cat´s food.

About everything, Puma is a funny cat. Also, I should tell that if I want to be alone in my room, I can´t to keep the door almost open because he uses his little paws and open my door. Like always, he jumps in the furniture and try to open my cabinet like he made in the kitchen. Maybe he thinks that there is a master stock of his food inside it.

-| Remember: This is my first long post that I translated to English. I hope you can understand if I made some mistake and help me to improve my English. Thanks! |-

Busca