Archive for the ‘Textos’ Category

O mar cura e renova

Certa vez, quando eu era criança, indo à praia com minha família, reclamei que eu estava com um machucado no pé — coisa pequena, era apenas um arranhão — e que por isso não poderia entrar na água. Meu pai disse que não era nada, pois o mar cura as feridas do corpo.

Daí pra frente, comecei a observar o comportamento da pele quando entra em contato com o mar e seus efeitos benéficos. Confirmei que sempre que havia um machucadinho, durante os dias que passávamos na praia, ele realmente sarava mais rápido. Isso devido as propriedades antissépticas e desinfetantes que essa água oferece. Afinal, ela é repleta de minerais como sódio, potássio, iodo, zinco, silício e magnésio.

Praia e Mar

No feriado do dia 12 de outubro, fomos à praia. Já fazia uns 4 anos desde a última vez que eu e a @bibspotter havíamos ido e certamente uns 14 anos desde a última vez que eu fiz um longa caminhada pela beira do mar. Dessa vez, nos demos esse luxo. Caminhar sem rumo e sem destino. E eu já havia esquecido de como isso é bom.

A água do mar, além das suas propriedades cicatrizantes, como comentei, também ajuda a aliviar a tensão muscular, o estresse e a ansiedade. É terapêutico. Promove uma sensação de bem-estar.

E foi isso que aconteceu comigo. Enquanto caminhávamos sob a areia, as ondas vinham e batiam nos nossos pés. Nisso, uma percepção boa de renovação e esperança brotou dentro de mim. Algo revigorante, que me permitiu pensar e fazer planos. Foi um momento muito bom que eu não vivenciava há anos.

Por isso, recomendo o mar, pois ele tem o poder de curar e renovar.

Aprende a amarrar seus cadarços

O Vicenzo — afilhado da @bibspotter — está aprendendo a amarrar o cadarço do tênis. Ele está com 8 anos. Foi por esta idade que eu aprendi a amarrar os meus.

Mas antes de alcançar essa independência, eu lembro que quando minha mãe me arrumava para a escola, ela fazia um nó duplo nos cadarços dos meus tênis, pois assim, a probabilidade de eles desatarem seria menor. E geralmente funcionava muito bem. Não precisava refazer o nó até a hora de chegar em casa.

Menino olhando para o seu tênis

No entanto, nas vezes que acontecia na escola — principalmente durante as aulas de educação física — do tênis desamarrar o cadarço, batia o desespero. Nas primeiras vezes, a professora ajudava, porém, depois ela começou a delegar a atividade aos colegas que já sabiam executá-la. E ela nem preocupava-se com a ponte: “Fulado, vai amarrar o cadarço do Sicrano!”. Não! Ela mandava a gente ir pedir para o colega.

Vergonha pra quê, né? Geralmente, eu pedia para uma menina. Elas são mais habilidosas e desde cedo achei que é mais fácil se mostrar vulnerável ao sexo oposto. Então, alguma delas me ajudava. Nem sempre era de boa vontade — ao menos, a escolhida não expressava uma cara muito alegre, — apesar de cumprir com o objetivo.

Felizmente isso foi uma fase. Atingi minha liberdade quando aprendi a dar nó em cadarço de tênis. Talvez o jeito que eu aprendi foi o mais difícil e menos eficiente. Nunca fui bom com cordas. Inclusive, até hoje eu sigo fazendo o mesmo nó duplo que minha mãe fazia, pois evita desamarrar ao caminhar na rua, e com isso, não preciso ficar me expondo na amarração.

Sou bom com improvisos e adaptações

Sabe aquele programa de culinária, que passa na TV, o MasterChef? Então, lembro que certa vez, em uma das provas, a receita exigia queijo, mas na hora do mercado, o competidor esqueceu de pegar o ingrediente e se deu conta somente quando chegou na sua bancada. No entanto, como ele havia pegado leite, o que ele fez? Seu próprio queijo!

Não é querer ser convencido, mas se eu soubesse cozinhar, talvez eu seria esse cara. E por quê? Pelo fato de geralmente eu também não me ver abatido em situações inusitadas. Sempre procuro dar um jeito com os recursos que estão disponíveis. Às vezes, uso da famosa gambiarra para resolver as coisas e geralmente funciona bem.

Semana passada, eu estava participando do TETRIX Challenge. Uma das questões pedia para que fosse gravado um vídeo usando uma camisa floreada. Levando em consideração que eu não tinha uma, o que foi que eu fiz?

Joatan usando uma “camisa floreada”

Desenhei e colei flores de papel em uma camisa qualquer e fui pra frente da câmera. Bom, se a comissão avaliadora irá aceitar, isso é outra história. Mas como se trata de um desafio onde muito se fala em “pensar fora da caixa”, acho que consegui expressar bem essa habilidade em resposta à atividade.

Outro exemplo foram os porta-retratos que fiz com palitos de churrasquinho e picolé. Eles foram usados no último sábado (25), durante meu casamento com a @bibspotter. Pois é! Pra quem ainda não está sabendo, apesar de já morarmos juntos há algum tempo, nos casamos. Foi uma cerimônia bem íntima, apenas pra família. Portanto, na recepção, queríamos colocar umas fotos nossas, mas por causa do orçamento, a ideia de comprar porta-retratos que seriam utilizados apenas na ocasião não era viável. Sendo assim, eu construí os nossos próprios.

Porta-retratos feitos com palitos de churrasco e picolé

Com isso, me considero uma pessoa que lida bem com improvisos e adaptações. De novo, não quero ficar me achando, porém, é uma qualidade que tenho orgulho de tê-la e fico feliz quando consigo colocá-la em prática.

Sofria bullying na escola, mas também bulinei os outros

Para os padrões atuais seria bullying. Já na minha época, há 20 e poucos anos, quando eu estava nas séries iniciais do ensino fundamental, era zoeira, tiração de sarro, pirraça.

Eu sofri bullying na escola. Como sempre fui gordinho, frequentemente ouvia frases que se repetiam, tais como: “Gordo baleia, saco de areia…” ou “Vai explodir, vai explodir…”. Essas coisas.

Uma vez, na 4ª série, estávamos estudando práticas que envolveriam um treinamento de incêndio. A professora disse, que em um caso real, se tivessem que quebrar as janelas para resgatar os alunos da sala de aula, os mais magrinhos iriam primeiro. Depois, na hora do recreio, ouvi uma colega se lamentando para outra, dizendo: “Coitado do Joatan. Ele seria o último no resgate.”.

bullying com gordinho
Bullying com gordinho

Pois é. Mas no meu caso, nem só de bullying viveu o bulinado. Eu também bulinei os outros. Infelizmente, não as mesmas pessoas que me zoavam. Na verdade, fui covardão. Acabava implicando com os colegas tão vulneráveis quanto eu.

No entanto, meu bullying não era tão pesado — eu acho. Basicamente eu inventava apelidos.

Tinha um colega que eu chamava de “Bigo”. O título era em razão dele ter um bigodinho. Crianças com 10 anos ainda não têm bigode, por isso, eu achava curioso. E era engraçado — não pra ele, mas pra mim — até porque, eu acabava influenciado os outros a chamarem ele assim também. Mas nós convivíamos relativamente bem com isso, tanto que na 5ª série ele era um dos meus melhores amigos.

menino com bigode
Menino com bigode

Em outra ocasião, eu inventei de chamar um menino de “Lerdo”. E ficou. Em pouco tempo, outros alunos também estavam chamando-o dessa forma. Ficou chato, já que na entrega de boletins, enquanto eu estava na fila com a minha mãe, ouvi a mãe dele falando pra mãe de outro colega, que iria reclamar com a professora. Afinal, os meninos estavam chamando o filho dela de Lerdo. Fiquei bem quieto. A partir do dia seguinte, eu é que não chamava mais ele assim.

É bem provável que todo mundo tem uma história de zoação na escola. Seja sendo caçoado ou caçoando alguém. Certamente rende alguns posts pra contar tudo. Entretanto, bullying não é nem um pouco legal. E nas gerações de hoje, pelo que a gente observa, a galera costuma pegar mais pesado do que antigamente. Então, pelo certo ou pelo errado, com certeza é melhor ficar longe desse rolé de tirar sarro dos outros.

Finalmente “TCCei”

Certamente o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é a etapa mais custosa na vida acadêmica de qualquer aluno. Durante esse ano, enfrentei esse desafio e recentemente conclui, apresentando meu trabalho no dia 11/12/2019, um dia que ficou marcado por encerrar uma jornada de quase 10 anos na graduação, podendo então receber o título de Bacharel em Sistemas de Informação.

Prof. Scheid, Prof. Sandra (banca), eu e Prof. Adriana (orientadora)

Foram 8 meses de trabalho árduo. Perdi as contas de quantos sábados, domingos ou qualquer noite da semana fiquei durante horas planejando e elaborando textos, imagens, quadros, planilhas e gráficos para construir um texto que atendesse as expectativas do meu trabalho. Não contabilizei em números, mas estimo que foram investidas mais de 500 horas de devoção.

Ao longo do processo, houveram mais de 40 reuniões com a minha orientadora, a doutora Adriana Neves dos Reis, a quem eu devo todo incansáveis agradecimentos por todo o conhecimento, suporte e dedicação oferecidos ao longo desse processo.

Também agradeço todas as pessoas que de alguma forma colaboraram com meu trabalho, seja com dicas, sugestões ou apenas uma palavra de incentivo. Não posso esquecer de mencionar as dezenas de Scrum Masters que acionei através do LinkedIn e prontamente responderam o questionário de avaliação da minha proposta. Além deles, sou grato aos meus colegas de trabalho e especialistas consultados, que utilizaram o artefato proposto e depois disso também responderam um questionário.

Nota TCC

Em especial, agradeço minha noiva, Bianca, por me apoiar na revisão do texto, lendo incansavelmente dezenas de páginas quando eu precisava de uma segunda opinião. Agradeço meu pai, Jurandir, por “bancar” meu início na faculdade e como sempre apoiar minhas decisões, inclusive sempre preocupando-se com o andamento do TCC, e também, minha querida mãezinha, que infelizmente nos deixou recentemente, mas nunca mediu esforços para cuidar de mim, sempre me recebendo com zelo e carinho quando eu chegava da faculdade.

Sinto-me mais preparado e maduro com a finalização desse trabalho, pois além da aprendizagem adquirida em relação ao conteúdo da minha pesquisa, a experiência em desenvolver um projeto dessa magnitude é incomparável.

Regalos da Prof. Adriana

Sendo assim, se você que está lendo essa postagem tem interesse em conhecer um pouco sobre KPIs de Governança de TI em Times Scrum, como tema do meu trabalho, clique aqui para ler o resumo através do site do TC-online da universidade e aqui para acessar o trabalho na integra.

Um período ócio

Ontem foi o dia da entrega do meu TCC. Depois de 8 meses de dedicação e provavelmente umas 500h de trabalho, finalmente entreguei o dito-cujo.

Cheguei cedo na faculdade para fazer as impressões. Três cópias. Cada uma delas contendo 120 páginas. Sim, talvez eu tenha extrapolado no número de folhas, mas juro que as minhas conclusões finalizam na página 85 e depois são apenas as referências e os apêndices, pois acabei obtendo muitos em virtude de tudo o que produzi para construir o TCC.

Quando terminei de imprimir e encadernar, já pensei em começar a trabalhar no PPT para a banca. Mas não. Decidi me dar uma tarde de folga. Depois do almoço, fui para a biblioteca, sentei em uma confortável poltrona defronte a uma grande janela com vista para o pátio, conectei meus fones e coloquei uma música para tocar.

Fiquei ali por um tempo, apenas contemplando o momento. Depois de alguns minutos, pensei em pegar o notebook pra ler alguma coisa ou até escrever. Contudo, acabei fazendo algo bem mais simples. Puxei um caderninho que sempre carrego na mochila e comecei a rabiscar. Palavras. Desenhos. Pequenos textos. Deixei a caneta fluir. Abaixo segue uma amostra do que isso resultou.

View this post on Instagram

Old Guys on the Beach 🏖️

A post shared by Joatan Fontoura (@joatangeek) on

Quando me dei conta, já havia passado algumas horas e estava na hora da aula. Mas antes disso, parei e pensei por um momento: Minha tarde foi produtiva?

Bom, por mais que eu não tenha tido um “entregável” após essas 3 horas que passei, estou convicto que a mente precisa de um período ócio para oxigenar e com isso estar propícia para criticar, refletir e gerar novas ideias. Talvez algum workaholic que vive em uma caverna diria que é vadiagem, mas eu prefiro chamar de ócio criativo. Por isso, me dei esse momento e gostaria de repetir a dose com mais frequência.

Sou inteligente ou esforçado?

Considero inteligentes aquelas pessoas que entendem e absorvem com significativa facilidade determinada explicação, seja teórica ou prática, independente da matéria ou área de conhecimento, e a partir do momento que receberam a informação, já saem aplicando. Eu não tenho tanta facilidade assim. Sempre que “aprendo” algo novo, necessito revisar, praticar, revisar novamente e praticar novamente, até que aquela nova “descoberta” torne-se clara e eu possa estar seguro que tenho o domínio mínimo aceitável sobre o assunto.

Na época de escola, durante o 2º e 3º ano do Ensino Médio, eu tinha um colega que havia arrumado um emprego no contraturno e muitas vezes estendia-se até a noite, o que fazia com que ele faltasse com relativa frequência as aulas (acho que em alguns momentos, ele ficou por semanas sem aparecer), mas quando vinha, eu aprendia com ele quando o contrário faria mais sentido, pois a facilidade dele para as aulas de matemática era tão grande, que eu mostrava a matéria e ele já sabia como aplicar, inclusive estando apto para tirar as minhas dúvidas. Lembro que mais para o final do ano, ele trocou de turno no trabalho e foi estudar a noite. Com isso, além do amigo, perdi também o “professor”. E quanto as suas faltas, acho que por fim, ele passou simplesmente porque não precisava estar na escola e não pela sua assiduidade.

franklin_eu_a_patroa_e_as_criancasFranklin, o menino superdotado da série “Eu, a Patroa e as Crianças”, tinha a mesma inteligência que meu colega

É evidente que algumas pessoas tem mais facilidade com determinadas matérias do que outras e que esse meu colega, obviamente era um “crânio” em matemática. Eu sempre gostei de informática e quando fiz um curso técnico, destacava-me entre os melhores da turma. Talvez, sim, porque eu gostava mais desse assunto, e por consequência tinha mais facilidade, diferente de matemática. Mas mesmo assim, sigo achando que sou mais uma pessoa esforçada, ao revisar e praticar para obter o entendimento necessário, do que uma pessoa inteligente, que na primeira explicação que recebe, já torna-se um grande entendedor do tema.

A introversão e o que me afasta das pessoas

Já não é de hoje que venho pensando nisso: porque me afasto das pessoas e não procuro saber como estão tempos depois do último encontro? Deixe-me explicar…

Na primeira escola que estudei, nunca mais voltei para visitar os professores. Na segunda e na terceira escola foi a mesma coisa, fora uma ou outra ocasião especial (festas beneficentes, formaturas e outros compromissos) quando eu era obrigado a ir e ficava bastante tímido em ter que lidar com todos os professores novamente (não tinha certeza se lembrariam de mim).

shyImagem: www.teepublic.com/t-shirt/1580611-limited-edition-exclusive-cartoon-shy-kid

No meu primeiro emprego, quando sai, fiquei de voltar e dizer um “olá” para todos alguns meses mais tarde, mas isso nunca aconteceu e hoje a empresa nem existe mais, apenas os constantes sonhos que me colocam voltando a mesma função no início da minha carreira. E porque eu não voltei?

No meu segundo emprego, sinto que sai de lá muito rápido e deixei as pessoas “na mão”, pois não tive opção: recebi a proposta na segunda-feira para começar já na próxima semana em uma nova empresa. Por isso, não me sinto confortável em voltar lá.

E quanto as amizades da época da escola, do intercâmbio, do início da faculdade, como ficaram? Perdi o contato com muitos… As razões? Tenho a impressão que quase não tenho assunto pra puxar e o pouco que tenho, ainda fico achando que a conversa vai “esfriar” rápido e vai ficar um clima chato por não saber conduzir o papo.

As pessoas morrem e o Facebook nos conta

No último domingo, através da postagem de uma outra professora no Facebook, soube que uma ex-professora de matemática da época da escola, no ensino médio, faleceu. Fiquei chocado. Ela era tão nova. Deixou filhos e acredito que marido também. Já fazem quase 10 anos desde que me formei, mas lembro muito bem das aulas dela, dos conselhos, dos puxões de orelha e das brincadeiras. Ela era aquele tipo de professora mãezona, sabe? Que cobra, que se preocupa com o bem estar dos alunos e que preza pela boa convivência na turma. Alias, acabei de lembrar que no 3º ano ela era a professora conselheira da classe. Depois que me formei, infelizmente não mantive contato com ela. O máximo que fazia era curtir uma ou outra postagem no Facebook. Não sabia que ela estava doente. Descobri porque procurei saber o que havia acontecido quando fui acometido com a notícia sobre a sua morte.

ripImagem: graphicriver.net/item/cartoon-grave-with-tombstone-and-flower/7164377

No início do ano, descobri que a irmã de uma colega dos tempos de escola (estudamos juntos entre a 1ª e 5ª série) havia falecido. Li uma postagem no perfil do Facebook da minha ex-colega. O texto dizia algo sobre a infelicidade da irmã ter morrido mas que foi um caminho que ela escolheu. Procurei saber informações nos comentários da postagem, em postagens anteriores, no perfil da menina que morreu, mas não encontrei. Fiquei colidido com a notícia. Pensei em chamar minha colega no Messeger e perguntar, mas como fazem muitos anos que não tenho mais contato com ela (fora a amizade no Facebook), achei que seria indelicado. Essa colega e eu temos a mesma idade, mas lembro que quando nós estávamos na 4ª série, a irmã dela estava na 2ª, então presumo que ela era dois anos mais nova. Nunca tive contato com ela, mas lembro dela nos recreios da aula e quando o pai delas deixava as duas na frente da escola pela manhã. Desde essa época, já fazem 16 anos. Nunca poderia e nem mesmo gostaria de imaginar naquele tempo que anos mais tarde ficaria surpreso com tal notícia.

cloudsImagem: www.thoughtco.com

No ano passado fiquei sabendo que um conhecido da época do intercâmbio havia morrido. Vi os comentários de um professor da escola onde estudamos em Toronto na postagem de outro colega no Facebook. Durante minha passagem pela escola, não fui muito próximo desse rapaz que morreu. Nossos encontros pelos corredores eram feitos de cumprimentos e mais tarde nos adicionamos no Facebook. E como a vida muitas vezes é cheia de coincidências, no dia que eu estava voltando para o Brasil, encontrei ele na sala de embarque do Aeroporto de Guarulhos. Ele já havia voltado fazia dois meses e estava viajando a trabalho. Falamos por uns 5 minutos. Ele me contou do trabalho (acho que ele tinha um envolvimento com o governo e o exército) e sua dificuldade em ficar em casa desde que voltará, devido as viagens de trabalho pelo Brasil. Espero que ele tenha resolvido essa dificuldade antes de partir e tenha aproveitado mais tempo com sua família.

Ei, senhor cobrador

“Pagueee o aluguéeeel!!!”. Na realidade não é bem desse tipo de cobrador que eu queria falar. Melhor deixar o senhor Madruga e as dívidas dele pra outra postagem. Nessa aqui eu quero falar sobre cobradores de ônibus.

Sim, aquelas pessoas que ficam sentadas de lado naqueles bancos grandões dos ônibus, só observando você passar e quando muito cobrando os trocados da passagem, já que muitos passageiros hoje já pagam com cartão. Não tenho nada contra os cobradores. É uma função digna como qualquer outra. Simpatizo com aqueles que tentam ser solícitos as pessoas idosas e com necessidades, além daqueles que tentam ajudar as senhoras que querem passar na roleta abarrotadas de sacolas com compras do supermercado. Meu problema é com aqueles que mal abrem a boca pra responder quando são questionados e que ficam o tempo todo com cara feia como se aquele estivesse sendo o pior dia da vida deles.

cara_feia_cobrador_onibusImagem: mediarfamilia.com.br

Concordo que não é sempre que acordamos em um bom dia. Eu mesmo admito que já passei por algumas situações no trabalho, nas quais poderia ter tratado melhor meus colegas ou tentado ser mais prestativo. Mas isso não é sempre. Foi um dia ou um momento fora do comum. Talvez eu estivesse estressado com algum problema do próprio trabalho, com muitas tarefas pra concluir ou mesmo preocupado com as horas extras que teria que cumprir naquele dia. Mas volto a dizer, esse foi um acontecimento fora do comum.

O problema são pessoas que vivem sempre dessa maneira, como muitos cobradores de ônibus que já vi. Claro que eles também sofrem pressão, ficam nervosos e irritados com o trabalho e tem aflições tanto na vida profissional quanto na vida pessoal, mas não acho que justifique tanto rancor. Não vejo motivos para estarem sempre com a cara amarrada e principalmente que não respondam com boa vontade qualquer questionamento feito por algum passageiro perdido e em busca de informações. E o mesmo vale aos motoristas. Sabemos que muitos fazem papel dobrado, dirigindo e cobrando ao mesmo tempo, mas reforço que não há motivos para tanto rancor. Já temos muita coisa pra mudar nesse muito que não dependem apenas de boa vontade, mas quanto as que estão no alcance das pessoas, como essa, não custa tentar melhorar.

Busca