Faltou a lição do carburador

Quem nunca me viu sentado atrás de um volante de carro ou montado em uma moto, até pode duvidar, mas acreditem ou não, aprendi a andar de moto com apenas 10 anos. Quase não conseguia alcançar os pés no chão, mas tenho boas lembranças das tardes de sábado ou domingo quando meu pai tirava a velha CG 125 (branca / 1986) da garagem e descíamos até o fim da rua pra eu tentar os primeiros arranques. Enquanto isso, ele ficava sentado no cordão da calçada com meu irmão pequeno, apenas observando.

Acho que eu nunca trocava as marchas, andava apenas na primeira, pois usar a embreagem parecia complicado. Eu andava fazendo a volta a cada 100 m, linha reta e depois uma voltinha pra direita, colocando o pé no chão pra apoiar. O grande problema aparecia quando eu deixava o motor apagar. Era “dugdin, dugdin, dugdin”, pedalando freneticamente, mas a bicha não voltava a “pegar”. Até que meu pai precisava montar e apenas com uma pedalada fazia o motor roncar. Nunca entendia o que ele fazia de diferente. Obviamente as pernas dele eram maiores e ele tinha mais força, mas eu parecia pedalar com tanta convicção que o motor deveria funcionar.

riding_a_motorcycle

Depois de tantas vezes que a cena descrita foi repetida, um dia resolvi perguntar pra meu pai qual era meu problema quanto a não conseguir fazer a moto “pegar”. Ele apontou uma pequena alavanca localizada abaixo do tanque de combustível, a qual controlava o carburador. Puxando a alavanca pra cima, liberava alguma “função” que facilitava muito a tarefa de fazer o motor ligar, o que consequentemente parecia deixar a moto “afogar” se ela sempre estivesse “puxada”, então, logo em seguida, meu pai colocava a alavanca no lugar novamente e deixava eu continuar andando.

Depois que meus pais tiveram filhos deixaram a moto de lado. Durante todo ano ela ficava parada na garagem e apenas no verão a gente tirava ela pra eu aprender. Acho que isso não fazia muito bem ao motor, pois sempre meu pai levava quase um dia desmontando tudo (velas, bicos, agulhas e as vezes o próprio carburador), removendo a gasolina velha e injetando a nova até fazer a moto funcionar. Acredito que seja por isso que a gente precisava ficar controlando o carburador através da pequena alavanca. Ele parecia meio desregulado. De qualquer forma, não lembro se perguntei ao meu pai sobre ele não ter comentado antes dessa regulagem usando a alavanca do carburador, pois eu sofria pedalando e pedalando enquanto tentava ligar a moto. Mas apesar de não lembrar da pergunta ou mesmo da resposta, posso dizer que nunca entendi o motivo pelo qual ele não havia falado sobre o carburador antes.

Leave a Reply

Busca